fev 21 2017

CARDÁPIO DO DIA

Published by under Jornalismo

CARDAPIO_1

EDITORIAL – ÁGUA: DIREITO HUMANO.

CADERNO DE POLÍTICA

SOBRE O MOMENTO POLÍTICO DO ESTADO E OS MEUS VOTOS NA ALERJ – Janio Mendes.

OPINIÃO – SOBRE A PRIVATIZAÇÃO DA CEDAE – Jefferson Buitrago.

CADERNO DE BÚZIOS.

 


No responses yet

fev 21 2017

ÁGUA: DIREITO HUMANO.

Published by under Jornalismo

EDITORIAL_2

O debate, extremamente saudável e duro, se instalou nas redes sociais da Internet sobre a questão da privatização da CEDAE.

O Jornal do Totonho sempre defendeu que determinados setores considerados essenciais, tanto para a vida humana e a economia são inerentes ao Estado.

O acesso à água é direito humano, e tem que ser explorado, gerenciado e subsidiado pelo poder público. Este papel não cabe à iniciativa privada e não pode estar ao sabor do tão ilustre e indecifrável mercado.

Caso a administração pública, direta ou indireta, esteja trabalhando de maneira ineficiente cabe à sociedade civil organizada através de suas representações exigir eficiência, respeito, honestidade e transparência.

A privatização entrega a iniciativa privada, nacional e internacional, uma empresa que é fruto do esforço dos trabalhadores e propriedade da sociedade como um todo.

 


One response so far

fev 21 2017

A MÍDIA – 1

Published by under Jornalismo

55


No responses yet

fev 21 2017

CADERNO DE POLÍTICA

Published by under Jornalismo

POLITICA_3

A privatização da CEDAE

Os internautas nas redes sociais, debateram a aprovação da privatização da CEDAE pela Assembleia Legislativa, liderada a toque de caixa pelo presidente Jorge Picciani (PMDB). O estado falido cedeu a chantagem do capital financeiro, que hoje é hegemônico dentro do governo federal, na figura do ministro da fazenda Henrique Meirelles.

HM  &  JP

A mão de Henrique Meirelles e Picciani.

O ministro da fazenda Henrique Meirelles é ex-presidente internacional do Banco de Boston, um dos pilares mundiais do capital financeiro. Foi o próprio Banco de Boston, que fez a avaliação dos ativos da CEDAE e que agora, através do seu agente político, promove a privatização do único ativo que havia restado ao Estado do Rio de Janeiro.

Incoerências e contradições

O Brasil não é a toa o país das incoerências e das contradições. O PSDB votou contra a privatização da CEDAE, justamente o partido que, no governo Marcello Alencar e Fernando Henrique Cardoso, fez verdadeira devastação no patrimônio público do país. Com Marcello Alencar foi embora o BANERJ e com FHC, entre outras coisas, a Cia. Vale do Rio Doce.

Cadê a memória?

MA  &  hqdefault 

Muito engraçado ver o deputado Luis Paulo, líder tucano, criticar o processo de privatização da CEDAE. Quando vice-governador do estado foi o principal artífice da privatização. É de uma falta de respeito a inteligência e memória da população gritantes. Ao lado o recém chegado deputado Silas Bento sempre com cara de paisagem. Afinal, parece não entender o que está acontecendo.

A posição de Janio.

JANIO

O deputado Janio Mendes votou pela privatização da CEDAE, defendendo a argumentação de ser essa a única forma de regularizar o pagamento dos servidores públicos estaduais. Ao mesmo tempo o deputado cita o que ele entende como exemplo bem sucedido a Prolagos, aqui na Região dos Lagos. Entretanto, o deputado assumiu o compromisso de não votar pelo aumento da contribuição dos servidores estaduais.

Adriano Moreno desativou?

A ineficácia política das “andorinhas” na política local é imensa. Apesar de Adriano Moreno (REDE) ter chegado em segundo lugar nas eleições de 2 de outubro de 2016, não conseguiu formar uma bancada e parece ter desativado o grupo político.

Andorinha ou João de Barro?

A inércia gritante do grupo político que, sob o ponto de vista eleitoral, soube muito bem aproveitar a maré do repúdio da população aos políticos, é incontestável. A cidade fervilhando de ações e boatos e as “andorinhas”, procurando se transformar em “joão de barro”.

O “imperador dos francos”

Algumas cabeças coroadas do grupo “farinha pouca meu pirão primeiro”, procuram aparentar tranquilidade e domínio do processo jurídico. Apesar do despacho do ministro Barroso, o grupo acredita que o “imperador dos francos” vai descomplicar no TSE e no STF.

Mudança de foco.

A votação da privatização da CEDAE caiu como uma luva para o governo “farinha pouca meu pirão primeiro”. As “luzes da ribalta” desviaram o foco do prefeito Marquinhos Mendes (PMDB) para o deputado Janio Mendes (PDT). Nesse período, quantos coqueiros serão plantados?

Sem lamentos.

Não ficou claro quem manda na Praia do Forte e toda a sua orla. Por enquanto parece que a coordenação do meio ambiente não apita nada. E até mesmo o representante do PRB no secretariado, Cláudio Bastos, também não. Quem manda é Cláudio Moreira da Comsercaf ou os barraqueiros? Os lamentos pela Praia do Forte cessaram.


One response so far

fev 21 2017

A MÍDIA – 2

Published by under Jornalismo

54


No responses yet

fev 21 2017

SOBRE O MOMENTO POLÍTICO DO ESTADO E OS MEUS VOTOS NA ALERJ – Janio Mendes.

Published by under Jornalismo

ARTIGOS_BORDO

JANIO-MENDES-5

O Estado do Rio vive o momento político e ecônomico mais grave das últimas décadas. É preciso ter responsabilidade e seriedade para enfrentar esta crise. Sem demagogia e com pé no chão. A situação dos servidores chegou ao seu limite. Por isso as razões para o meu voto na questão da Cedae são de fácil compreensão:

- É preciso colocar em dia o salário dos servidores. São em torno de 500 mil entre ativos e inativos que estão há meses sem nenhuma segurança de recebimento de seus salários.

- O termo firmado entre o Estado e a União é uma proposta viável, que prevê a liberação de empréstimo de quatro bilhões e meio para colocar em dia o pagamento dos servidores de uma única vez e não havendo, pelos próximos quatro anos o bloqueio das contas. A união assume o pagamento da parcela dos empréstimos feitos pelo Estado. Isso dá um acordo de 60 bilhões em quatro anos.

- O Estado não tem outro ativo que não a Cedae para colocar como garantia. A companhia não está sendo vendida, mas suas ações estão sendo colocadas como garantia para o empréstimo

- A Cedae já foi vendida em partes, como na Região dos Lagos, Niterói, Região Serrana, ficando a Região Metropolitana e mais algumas cidades.

- O serviço executado pela Cedae é extremamente questionável. Na Zona Sul do Rio não falta água, mas na baixada e áreas mais pobres a falta de água é uma realidade diária. Menos de 40% dos clientes da Cedae têm coleta de esgoto, 12% da área atendida pela Cedae tem zero de distribuição de água. As tarifas cobradas pela Cedae são maiores que nas áreas privatizadas e o percentual de investimentos da companhia é mínimo e é feito com recursos do Estado.

- O modelo implementado na Região dos Lagos de concessão onerosa de uso prova que a realidade pode ser diferente. Eu fui Vereador por quatro mandatos e, no período da privatização da Cedae, na metade da década de 90, fui às ruas contra a privatização. No momento em que Cabo Frio era escrava da máfia dos carros-pipas, onde a água não chegava aos morros de Arraial do Cabo, de Armação dos Búzios, à periferia da cidade de Cabo Frio. Fui vencido e a Cedae foi privatizada na nossa região. Correu o tempo e o tempo mostrou que àquela altura eu estava errado e os defensores da privatização estavam certos. Porque nesse período a cidade de Cabo Frio e a Região dos Lagos tiveram uma melhora significativa da água, na questão do abastecimento, dando fim à máfia dos carros-pipas.

- Em 2013, tivemos a crise hídríca e o reservatório de Juturnaíba passou o período com oitenta por cento de sua capacidade, de modo que a nossa região não viu a crise da água. Além da distribuição, nós tivemos, através da participação da sociedade, no consórcio Lagos São João, nas câmaras setoriais da sociedade civil organizada, fiscalizando a empresa, tivemos o reflorestamento do entorno da Lagoa de Juturnaíba e a recuperação de todos os afluentes que contribuem para aquele manancial.

Janio Mendes.

 


No responses yet

fev 21 2017

OPINIÃO – SOBRE A PRIVATIZAÇÃO DA CEDAE – Jefferson Buitrago.

Published by under Jornalismo

opiniao

BUITRAGO_2

Jefferson Buitrago

 “Ha 32 anos quando cheguei a Cabo Frio o abastecimento de água era feito pela CEDAE. Um horror ! A falta de água era uma constante mesmo fora da temporada de verão. Precisávamos ficar comprando,e pagando caro, ou pedido a própria Cia carros pipas.As famílias usavam água de poço o verão inteiro.Qualquer feriado prolongado faltava água.Havia uma utilização política do fornecimento. Os companheiros e as famílias de eleitores tinham a preferência no recebimento das pipas. Esgoto não havia nem um mísero litro tratado.A empresa era um cabide de empregos daqueles! A concessão para a iniciativa privada trouxe Cabo Frio para a modernidade no que se refere ao fornecimento de água.O tratamento de esgoto ainda precisa de melhorar.Mas hoje é infinitamente melhor que era. Pergunto a você que viveu a época da Cedae na região, gostaria de ter continuado com aquele tipo de prestação de serviços? Eu não!


No responses yet

fev 21 2017

LABIRINTO

Published by under Jornalismo

56


No responses yet

fev 21 2017

CADERNO DE BÚZIOS

Published by under Jornalismo

BBB

Superação das divergências.

MIRINHO_BRAGA_ENTREVISTA

O desmantelamento da obra de Mirinho Braga está sendo sentida como nunca pela população buziana e até mesmo por certos setores da política da península. Estão percebendo, um pouco tarde demais, que em 2016 era fundamental a superação das divergências e a união em torno de apenas uma candidatura de oposição.

Estímulo à divisão.

ANDRE-GRANADO-5

É claro que houve trabalho intenso do governo de André Granado para estimular a divisão da oposição. O grupo político do “Doutor” André percebeu que era a única forma de ganhar a eleição e focou seu trabalho nessa fratura dos grupos oposicionistas.

Clima ruim!

NANI-MANCINI_2

Em recente reunião na Associação Comercial de Búzios, entre empresários e os 9 vereadores do município, o clima não ficou muito bom. Nani Mancini, presidente da entidade, partiu para o ataque à classe política, dizendo conhecer profundamente as intenções de cada vereador ali presente.

Caladinhos!

Os comentários do empresário Nani Mancini, figura bastante peculiar do “mundo buziano” não foram nada positivos, sob o ponto de vista político, para nenhum dos vereadores, mas, estranhamente, não houve reação. O que terá acontecido para que os novos coadjuvantes da política municipal adotarem o “silêncio obsequioso”?

Câmeras não?

Um grupo de empresários quer financiar um sistema de monitoramento com câmeras para melhorar a segurança no município. Por incrível que pareça encontra resistência dentro do governo municipal. Enquanto isso as empresas privadas de segurança (a maioria dirigidas por policiais militares) avançam fortes pela cidade.

Que coisa!

A câmara de vereadores de Búzios tem estado muito movimentada. O prefeito André Granado tem enviado assessores para assistir todas as sessões. Na última quinta feira o clima não ficou nada bom entre uma “famosa” assessora do prefeito e a vereadora Gladys Costa.

Que empreendimento!

O prefeito André Granado diz que gasta 6 mil reais por dia com alimentação no hospital municipal. A empresa contratada usa gás, energia e imóvel da prefeitura: o contrato para fornecer quentinhas é de mais de 2 milhões/ano. Trata-se da refeição mais cara do Brasil. Nessa onda vai ter restaurante na Orla Bardot querendo participar desse empreendimento tão farto.


No responses yet

fev 21 2017

JORNAL DO TOTONHO

Published by under Jornalismo

LOGO


No responses yet

fev 20 2017

CARDÁPIO DO DIA

Published by under Jornalismo

CARDAPIO_1

O EXEMPLO!

CADERNO DE POLÍTICA.

CADERNO DE BÚZIOS.


2 responses so far

fev 20 2017

O EXEMPLO!

Published by under Jornalismo

EDITORIAL_2

A matéria do “O Globo” dando conta do despacho do ministro Luís Roberto Barroso, encaminhando o processo de Marquinhos Mendes para a presidente do STF, ministra Carmen Lúcia chocou Cabo Frio. O ministro pega o “Caso Marquinhos Mendes” e o cita como exemplo do mau uso do “foro privilegiado” ao qual ele faz ácida crítica. Entre outros adjetivos o ministro afirma que o “foro privilegiado” é uma “perversão da justiça” e claro estímulo à morosidade e a impunidade. É lamentável que Cabo Frio tenha chegado a esse nível tão baixo e muita gente ache normal.


2 responses so far

fev 20 2017

A MÍDIA BRASILEIRA.

Published by under Jornalismo

52


One response so far

fev 20 2017

CADERNO DE POLÍTICA

Published by under Jornalismo

POLITICA_3

Laura & Educação

LAURA_BARRETO_2

A secretária de educação Laura Barreto revelou que está devolvendo cerca de sete imóveis, alugados pela secretaria, alguns com preços que fugiam a realidade de Cabo Frio. A professora garantiu que não quer ficar por muito tempo no cargo e que só aceitou o convite para retornar porque tem a liberdade para trabalhar com a equipe que escolheu.

Janio participa de reunião no IFF.

JANIO-IFF

Aconteceu na manhã de sábado, 17, reunião promovida pelo deputado Janio Mendes (PDT), no Instituto Federal Fluminense (IFF), no Campus/Cabo Frio, antigo “Centrinho”.  Participaram do encontro com Janio o presidente do DER, Ângelo Monteiro, a direção do instituto e representantes de pais e alunos, com o objetivo de discutir melhorias no acesso ao IFF e na segurança da rodovia.

Peçanha no Parókia.

RAFAEL-LIVIA

O Bloco Parókia fez “ensaio técnico” de imenso sucesso na noite/madrugada de sexta-feira, 17. Carnavalesco assumido o vereador Rafael Peçanha (PDT) reuniu sua turma e desembarcou na Rua Jorge Lóssio. Tudo sob os olhares ariscos de Lívia Mendes.

Ademílton

ADEMILTON_FERREIRA

O radialista e “manda-chuva” do Jornal de Sábado Ademilton Ferreira, diz uma gracinha aqui, outra acolá, só não consegue deixar de transparecer sua oposição ao deputado Janio. Essa postura tem a influência do ex-deputado federal Bernardo Ariston, de Marquinhos Mendes ou o radialista, sempre tão alegre, sofreu algum desgosto muito profundo na Gamboa?

O lixo continua nas ruas da periferia.

Apesar da dinheirama colocada nos “contratos”,  a grande quantidade de lixo continua nas ruas, principalmente nas áreas de periferia. No domingo pela manhã o lixo estava sendo queimado, em grande quantidade, na estrada, na área da Vila do Sol.

Coqueiro verde!

O governo “farinha pouca meu pirão primeiro” gosta muito de propaganda, tentando transformar o prefeito “beijo no coração” em ídolo brega, quase ao estilo sertanejo. Porém, não gosta de explicar o que tem que ser explicado. Afinal, qual a origem dos coqueiros que “ornam” a Praia do Forte? Os coqueiros custaram alguma grana aos cofres públicos? Caso tenham custado, quanto?

Quem manda?

A coordenação de meio ambiente tem que sair da comodidade, afinal ocupa cargo público, e explicar de onde saiu à ideia de inundar a Praia do Forte com coqueiros. Não tem como explicar? A Praia do Forte, justamente o cartão postal, não está sob a autoridade da coordenação do meio ambiente? Quem manda no meio ambiente da cidade: Eduardo Pimenta, Cláudio Moreira ou Cláudio Bastos? Assim não dá!

A “falecida” já levou 32 milhões de reais da viúva.

A “falecida” já levou da viúva cerca de 32 milhões de reais. Será que aparece alguém no governo “farinha pouca meu pirão primeiro” para explicar como uma empresa “extinta”, portanto “falecida”, “morta” consome esses milhões de reais, de um município, cujo prefeito diz que vive “calamidade financeira”?

Pegou muito mal!

LUIS-ROBERTO-BARROSO   X   MARQUINHO_MENDES6

Apesar de procurar aparentar tranquilidade o governo “farinha pouca meu pirão primeiro” sentiu os efeitos da fala do ministro do STF, Luís Roberto Barroso. O despacho do ministro cita o “Caso Marquinho Mendes” como exemplo de mau uso do “foro privilegiado”. Pegou muito mal!

“Criatividade”

Alguns observadores políticos de Cabo Frio tem notado recrudescimento das críticas a Janio pela mídia do governo “farinha pouca meu pirão primeiro”. O despacho de Luís Roberto Barroso e sua publicação no “O Globo”, a possibilidade de encerramento prematuro do governo teriam estimulado a “criatividade” dos meninos.


4 responses so far

fev 20 2017

A MANIPULAÇÃO MIDIÁTICA

Published by under Jornalismo

53


No responses yet

fev 20 2017

CADERNO DE BÚZIOS

Published by under Jornalismo

BBB

O significado do governo de “Doutor André”.

A elite econômica de Búzios ainda não entendeu plenamente qual o significado do governo de André Granado (PMDB). O grupo político do “Doutor André” significa a decadência gradual de Búzios de cidade como grande polo de atração turística nacional e internacional e a sua colocação, junto com Cabo Frio, como praia da zona metropolitana do Rio de Janeiro.

Trabalho desmantelado.

O trabalho de Mirinho Braga e sua equipe, formada a duras penas, tornando Búzios centro turístico de grande relevância nacional e internacional está sendo desmantelado gradualmente.

Os apadrinhamentos políticos.

Os apadrinhamentos políticos em Búzios valem para a área pública, mas também privada sempre que o exercício de determinada atividade resulta em interesse público.

Preços praianos

São muitas as reclamações contra os preços praticados nas praias de Búzios, alguns “itens” têm preços exorbitantes. Como a fiscalização praticamente não existe, tudo corre solto e os comerciantes cobram o que querem.

MANOEL-EDUARDO-MARRECO

Cadê os 13 milhões?

Manoel Eduardo da Silva (*)

O dia que os brasileiros e os cidadãos de outras nacionalidades, que, em suas terras, não limpam as suas calçadas, não cortam a grama de seus quintais e nem lavam um prato em suas casas, decidirem deixar os Estados Unidos o senhor Donald Trump vai se colocar em seu devido lugar.

Da mesma forma é aqui em Búzios, o dia que os turistas (visitantes) escolherem outros destinos e esquecerem Búzios esse incompentente e despreparado prefeito, vai ser retirado da prefeitura pela porta dos fundos pelos comerciantes locais. O que está acabando com a cidade é a falta de uma boa gestão e de um governo com credibilidade e de bom caráter, esse prefeito que aí está vem sofrendo consequências pela sua má fama, não se faz muito tempo das atitudes antiéticas no desvio dos R$ 13 MILHÕES DA SAÚDE.

(*) Ex-vereador.

CANAL-DA-MARINA

Poluição

O Canal da Marina é apenas um exemplo do nível da poluição, que atinge Búzios. É preciso muita seriedade no trato do problema, sem o qual Búzios não tem futuro como polo turístico.

Reclamações!

O turismo em Búzios está descendo a ladeira e os moradores estão irritados e registrando a insatisfação com seguidas reclamações nas redes sociais da Internet. A sujeira e a falta de respeito tem sido o tema da maior parte dos internautas, que dirigem suas queixas aos vereadores e ao prefeito.


No responses yet

fev 20 2017

JORNAL DO TOTONHO

Published by under Jornalismo

LOGO


No responses yet

fev 18 2017

CARDÁPIO DO DIA

Published by under Jornalismo

CARDAPIO_1

EDITORIAL – A GANÂNCIA

CASO MARQUINHOS MENDES: O “EXEMPLO” DO MINISTRO BARROSO PARA CAUSA FREQUENTE DE IMPUNIDADE.

CADERNO DE POLÍTICA.

TEATRO QUINTAL.

RONDINELLI, O PRÊMIO PELA DEDICAÇÃO – Oldemário Touguinhó.


One response so far

fev 18 2017

A GANÂNCIA!

Published by under Jornalismo

EDITORIAL-3

GANANCIA

A degradação de áreas ambientais consumada por grupos empresariais ou mesmo grileiros que invadem e repartem terrenos, pulverizando-os, sempre contou com a ineficácia e a cumplicidade de agentes públicos. Essa tragédia criminosa pode ser percebida em todo o Brasil e aqui em “nossa terra” (deixou de ser “nossa” há muito tempo) a aliança entre o capital especulativo, a corrupção e a politicagem tem sido decisiva para a destruição de áreas de imensa importância ambiental. Na maior parte dos casos os agentes públicos deixam de sê-lo, mesmo mantendo sua capa oficial, para incorporar ganhos privados gerados pela desmedida ganância, que nada poupa dos patrimônios cultural, histórico e ambiental.


No responses yet

fev 18 2017

CASO MARQUINHOS MENDES: O “EXEMPLO” DO MINISTRO BARROSO PARA CAUSA FREQUENTE DE IMPUNIDADE.

Published by under Jornalismo

LUIS-ROBERTO-BARROSO

CASO MARQUINHOS MENDES: O “EXEMPLO” DO MINISTRO BARROSO PARA CAUSA FREQUENTE DE IMPUNIDADE.

Os jornais publicaram o despacho do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luís Roberto Barroso, na qual critica o “foro privilegiado”, afirmando com todas as letras que representa “perversão da justiça”.

O despacho impactou Cabo Frio, porque o exemplo dado pelo ministro foi justamente o caso do prefeito Marquinhos Mendes (PMDB).

O GLOBO – 17/02/2017.

…“O foro por prerrogativa é causa frequente de impunidade, porque dele resulta maior demora na tramitação dos processos e permite a manipulação da jurisdição do tribunal”, escreveu o ministro.

A crítica foi feita no despacho no qual o ministro decidiu levar ao plenário do STF uma ação penal contra o atual prefeito de Cabo Frio, Marcos da Rocha Mendes (PMDB), por crime eleitoral. Ainda não está marcada data para julgamento. Isso depende de decisão da presidente do tribunal, ministra Carmen Lúcia.

No despacho, Barroso afirma que o caso do prefeito é exemplo da “disfuncionalidade prática do regime de foro privilegiado.” O político é suspeito de ter dado dinheiro e distribuído carne a eleitores na campanha de 2008. A prática configuraria compra de votos. A Justiça Eleitoral do Rio de Janeiro abriu ação penal. Quando terminou o mandato de Mendes, o caso foi transferido para a primeira instância da Justiça Eleitoral local.

Mendes era suplente de Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e assumiu o mandato na Câmara dos Deputados no ano passado, depois que o titular da cadeira foi cassado. Com isso o processo foi transferido para o Supremo Tribunal Federal.

O sistema é feito para não funcionar. Mesmo quem defende a ideia de que o foro por prerrogativa de função não é um mal em si, na sua origem e inspiração, não tem como deixar de reconhecer que, entre nós, ele se tornou uma perversão da justiça. No presente caso, por exemplo, as diversas declinações de competência estão prestes a gerar prescrição pela pena provável, de modo a frustrar a realização da justiça, em caso de eventual condenação”, concluiu o ministro Luís Roberto Barroso.

Pela Constituição Federal. Deputados, senadores, ministros de estado e o presidente da República devem ser processados e julgados no Supremo. Governadores tem direito ao foro no Superior Tribunal de Justiça (STJ). Prefeitos, por sua vez, tem foro nos Tribunais de Justiça.

Para Barroso, o foro privilegiado “dá privilégio a alguns, sem um fundamento razoável”. Ele explicou que, no caso do STF, os processos criminais consomem tempo exagerado de uma Corte que deveria se ocupar apenas com assuntos constitucionais. Segundo o ministro, o prazo médio para recebimento de uma denúncia pelo Supremo é de 565 dias.


No responses yet

fev 18 2017

CADERNO DE POLÍTICA

Published by under Jornalismo

POLITICA_4

Ineficácia do Inea.

A ineficácia do Inea na proteção do patrimônio ambiental de Cabo Frio é grande e por demais conhecida. Entretanto, sempre há esperança de alguma ação dos órgãos públicos municipais e estaduais que ganhe dos rentistas da politicagem. O que não vale é a prefeitura empurrar para o estado, o estado para a prefeitura e tudo fica “ao deus dará”. Chega de desculpas!

Para aonde vai à grana dos estacionamentos?

Entra ano, sai ano. Entra governo, sai governo. O uniforme muda de cor, só uma coisa não muda, o destino da grana apurada nos estacionamentos públicos de Cabo Frio. Pela enésima vez vai à pergunta ingênua: para onde vai o dinheiro dos estacionamentos públicos da cidade? Para as entidades filantrópicas como determina a Lei Orgânica Municipal (LOM) não vai.

Nova enganação tipo Mediterranée?

2M

No final de janeiro, sem alarde, o prefeito Marquinhos Mendes (PMDB) e o secretário Cláudio Bastos estiveram com empresários da “Two Roads Development” (“Desenvolvimento de duas estradas”), empresa dos EUA, que teria interesses no setor imobiliário, em Cabo Frio. Pois bem, prefeito e secretário “assinamos um termo de parceria que irá nortear a elaboração dos projetos. Este é um passo para fomentar o setor e estimular a geração de empregos em nossa cidade.”

Parcerias estranhas.

As perguntas que insistem em não calar são: assinar parceria dessa natureza, com empresa estrangeira (norte-americana) não teria que passar pela Procuradoria Geral do Município? Depois de ouvido o procurador Carlos Magno não teria que ser examinada pela câmara de vereadores? A empresa é de construção de estradas como o nome leva a crer ou de investimentos imobiliários?

Todo cuidado é pouco.

Alguns políticos e o prefeito Marquinhos Mendes (PMDB) é um deles, são “mestres” na elaboração de factoides para dar a impressão que estão trabalhando muito. Às vezes, acordos, licenças, votações na câmara de vereadores, são realizados sem a devida atenção da cidade, distraída com eventos. Natal, Réveillon, Carnaval, são datas especialíssimas. Todo cuidado é pouco! 

Calamidade!!!!!!!!!!!!!

RUA_INDIA

Esse galpão na Rua Índia, no Jardim Caiçara, recebeu a instalação de uma empresa iluminação pública, da Baixada Fluminense, mais precisamente da cidade de Duque de Caxias. A empresa foi uma das beneficiadas pelos “contratos emergenciais”, celebrados pelo governo de Marquinhos Mendes (PMDB) após o decreto de “calamidade financeira”.

Ademilton, no PSOL?

Numa mesa em que estava sentado o empresário e presidente do PSB/Cabo Frio, José Martins, o radialista Ademilton Ferreira disse que o seu sonho é ser candidato a deputado estadual pelo PSOL. Com a palavra, Cláudio Leitão.

Cabo Frio brega.

A Rodoviária, o “Correão” e a Praça Porto Rocha formam um conjunto arquitetônico absolutamente brega ou como dizia o grande Vovô Bibiu, cafona! Está bem de acordo com o esforço dos prefeitos cabofrienses para tornar a cidade balneário da zona metropolitana do Rio de Janeiro.

Efeito da entrevista?

A expressão do rosto do prefeito Marquinhos Mendes (PMDB) em confeitaria/restaurante, no centro da cidade, não estava lá muito feliz, para dizer o mínimo. Talvez o prefeito tivesse conhecimento da entrevista do ministro do STF publicada nos jornais “O Globo” e “O Dia”.

Nem o “imperador” dá jeito?

Figuras do governo “farinha pouca meu pirão primeiro” estão preocupadíssimas com a situação jurídica do prefeito Marquinhos Mendes (PMDB). A boa vida pode acabar antes mesmo de extinguir o prazo do Teste de Fidelidade.


One response so far

fev 18 2017

TEATRO QUINTAL

Published by under Jornalismo

TEATRO


No responses yet

fev 18 2017

APOSENTADORIA?

Published by under Jornalismo

51


No responses yet

fev 18 2017

…MARÉ BAIXA – Sérgio Quissak.

Published by under Jornalismo

FOTOS_BORDO

SERGIO-QUISSAK


No responses yet

fev 18 2017

FLOR – Tânia Sobrinho.

Published by under Jornalismo

FOTOS_BORDO

FOTO-TANIA


No responses yet

fev 18 2017

EU NÃO SOU O QUE ME ACONTECEU. EU SOU O QUE ESCOLHO ME TORNAR.

Published by under Jornalismo

ESCOLHAS


No responses yet

fev 18 2017

“CURA PELAS ERVAS”

Published by under Jornalismo

IVA-1

Na última quinta-feira (16/02) aconteceu em Cabo Frio a Palestra “CURA PELAS ERVAS” com a eco chef Mônica Bull, no Cereall Gourmet. Os participantes receberam gratuitamente segredos das infusões e chás, e colaboraram com o Grupo Amigos do Bem que ajuda idosos carentes da região. Mônica Bull mostrou a diferença entre os chás branco, verde, vermelho e preto (Camellia Sinensis). Entre outras dicas, fez sucesso a tintura de confrei, excelente para curar ferimentos externos por ser tônico, depurativo, anti-inflamatório e analgésico. Se você quer saber como fazer, a receita está disponível no Facebook na Fan Page do Cereall Gourmet. O Restaurante está situado à Rua José Bonifácio, 28, no centro de Cabo Frio. A palestra beneficente foi em prol da ONG GAB (Grupo Amigos do Bem). Quem quiser colaborar pode entrar em contato com Dulce, pelo telefone 98842-2167. A instituição ajuda idosos carentes da Região dos Lagos, através de fraldas geriátricas, alimentos, remédios e materiais de higiene pessoal.


No responses yet

fev 18 2017

O MURO!

Published by under Jornalismo

44


No responses yet

fev 18 2017

RONDINELLI, O PRÊMIO PELA DEDICAÇÃO – Oldemário Touguinhó.

Published by under Jornalismo

CRO_E_POE_BORDO

OLDEMARIO-TOUGUINHO

RONDINELLI, O PRÊMIO PELA DEDICAÇÃO

Oldemário Touguinhó

A bola veio cruzada sobre a área e Rondinelli entrou de cabeça, fazendo o gol da vitória do Flamengo. Tudo como o zagueiro havia sonhado na madrugada do jogo, tudo como havia desejado desde que voltou à equipe na condição de titular. Por isso, era o mais feliz na festa da conquista do título de campeão carioca.
Rondinelli é um rapaz educado, profissional e dedicado. Treina constantemente. Quase sempre é o primeiro na fila dos exercícios, para servir de guia. Assim, consegue manter uma elasticidade que faz dele o melhor cabeceador do Rio.
- Por não ser muito alto e saber que dentro da área somos obrigados a enfrentar zagueiros fortes, que entram firme nas bolas altas, desde cedo me preparei com empenho para subir nos cruzamentos. Acho que devo muito aos preparadores físicos, porque desde que cheguei à Gávea, faço com eles várias séries de exercícios para manter a forma. Nunca me importei em ser um zagueiro de estilo clássico. Minha principal preocupação foi sempre a de ganhar o lance. Se for necessário entrar duro e desajeitado, entro. O importante é não deixar o adversário não entrar na área. Ainda nos juniores, me esforçava muito nas cabeçadas. Por isso, quando cheguei aos titulares, não tive dificuldades para me manter na equipe.
- Sou um jogador de garra ? e continuou Rondinelli ? e foi com muita luta que cheguei a ser convocado a Seleção Brasileira, durante a fase de treinamentos para a Copa (de 1978). Depois, voltei ao Flamengo e, quando acreditava estar firme no time, me machuquei e quase não pude mais voltar à minha posição. O Flamengo havia contratado novos zagueiros e, contundido, perdi espaço. Uma contusão no joelho esquerdo me obrigou a ficar de fora durante vários meses. Isso me desesperava. Sempre que tentava voltar aos treinos, sentia dores e tinha que recomeçar os tratamentos. O pior é que, aos poucos, senti não haver mais interesse da comissão técnica em me escalar. Mesmo assim, intensifiquei os treinamentos e logo que me senti bem, forcei os exercícios. Mesmo assim, foi muito difícil recuperar meu lugar entre os titulares, já que a dupla de zagueiros atuou muito bem durante o 1º turno e levando o time à vitória.
De fato, no Flamengo, existia interesse de negociá-lo em troca de um atacante. Por este motivo, quase foi parar no Inter, assim como no Galo mineiro. Sentindo que muitos clubes queriam contratá-lo o zagueiro voltou aos planos do técnico Cláudio Coutinho. Inclusive, a própria torcida exigia sua volta à equipe. O jogador se mostrava revoltado em permanecer na reserva e só mesmo se tranqüilizou ao ser escalado para atuar por duas vezes seguidas. E isto aconteceu apenas nos últimos jogos do returno.

- Na verdade, sempre confiei no meu futebol. Só desejava ter uma chance, a fim de poder mostrar ao treinador que merecia uma vaga no time. Ele foi legal comigo e permitiu que eu fosse novamente titular. Realizei bons jogos, mas me faltava um pouco de coragem para ir lá na frente, ajudar o ataque nas bolas altas. Mas durante a preparação para o jogo final contra o Vasco, vivia sonhando em ter uma chance de subir ao ataque e foi isso o que me encorajou a tentar uma jogada ofensiva no final da partida.
Quando vi a bola cruzada, entrei na corrida já sabendo que iria pegá-la no meio do caminho. Vim numa velocidade alta. Felizmente tudo deu certo, entrei de cabeça e joguei a bola para dentro do gol de Leão.
Rondinelli deixou o campo sem camisa. A faixa de campeão cruzada sobre o peito era o maior troféu que acabava de conquistar com muita raça e coração, como sempre lhe foi peculiar.


No responses yet

fev 18 2017

JORNAL DO TOTONHO

Published by under Jornalismo

LOGO


No responses yet

fev 17 2017

CARDÁPIO DO DIA.

Published by under Jornalismo

CARDAPIO_1

EDITORIAL – “PÁ DE CAL!”

EXPOSIÇÃO ANTÔNIO DE GASTÃO – MART.

BLOCO PARÓKIA

PAULO COTIAS LANÇA NO CHARITAS SEU ROMANCE ‘SALINAS’.

CADERNO DE POLÍTICA.

CADERNO DE BÚZIOS.

CRÔNICA – “MÉXICO 70” – ARMANDO NOGUEIRA.

 


One response so far

fev 17 2017

PÁ DE CAL!

Published by under Jornalismo

EDITORIAL-3

Os moradores de Cabo Frio voltaram a se deparar com os meios-fios das ruas e praças da cidade, caiados, inclusive, como novidade, a cal deveria estar sobrando, as árvores também estão ganhando aquela caiação. O trabalho é feito, em geral, por micro e pequenas empresas, e é bastante complicado, difícil mesmo mensurar o quanto foi caiado pelas ruas do município. Seria interessante que a prefeitura comunicasse ao cidadão-contribuinte, que é quem paga a conta, como ela consegue medir, calcular preço/metragem deste “belo serviço”. Os vereadores da bancada governista bem que poderiam, em nome da transparência e dos bons costumes, esclarecer o distinto público, detalhando também os nomes dos empresários diretos e indiretos, tão zelosos por tornar brancos os pneus dos veículos locais.


One response so far

fev 17 2017

EXPOSIÇÃO ANTONIO DE GASTÃO – MART.

Published by under Jornalismo

ANTONIO-GASTAO

ANTONIO-GASTAO-1

Aberta na noite de ontem, 16, no Museu de Arte Religiosa e Tradicional (MART), localizado no Convento de Nossa Senhora dos Anjos (Largo de Santo Antônio) a EXPOSIÇÃO ANTONIO DE GASTÃO.

antoniodegastao

A família de Antônio de Gastão, Evangelos Pagalidis e Maria Fernanda, Diretora do Mart – Museu de Arte Religiosa e Tradicional, que tem feito belo trabalho em Cabo Frio.

IVA

A jornalista e apresentadora Iva Maria na Exposição de Antônio de Gastão.


No responses yet

fev 17 2017

BLOCO PARÓKIA

Published by under Jornalismo

PAROKIA


No responses yet

fev 17 2017

PAULO COTIAS LANÇA, NO CHARITAS, SEU ROMANCE ‘SALINAS’

Published by under Jornalismo

PAULO

Paulo Cotias autografando seu livro “Salinas”.

BRUNA-PAULO

Paulo Cotias e sua Bruna.

COTIAS-TOTONHO

Paulo Cotias e o editor do Jornal do Totonho.

PAULO-VALERIA-TOTONHO

Paulo Cotias, Valéria e Totonho Nogueira.

RODRIGO-VALDEIA

O Editor Executivo da Folha dos Lagos e da Editora Sophia, o jornalista Rodrigo Cabral e sua mãe a professora Valdea Abreu.

PAULO_COTIAS_MILTON_ALENCAR

O cineasta Milton Alencar Jr. foi abraçar o professor Paulo Cotias.

PAULO-RODRIGO

Autor e editor comemorando o sucesso da noite de autógrafos de ‘Salinas’.


No responses yet

fev 17 2017

CADERNO DE POLÍTICA

Published by under Jornalismo

POLITICA_4

Rejeição!

FACURY_3

O professor e ex-secretário municipal de cultura, José Facury, ficou bastante irritado com a rejeição do Plano Municipal de Cultura elaborado em sua gestão. O vereador Rafael Peçanha (PDT) foi o único que votou a favor.

Chega de “culpas”

Os embates entre a oposição e a bancada governista na câmara tendem a crescer por conta das demandas reprimidas da população. Não basta ao governo continuar a colocar nas costas do “velho morubixaba” todas as “culpas”. Chega uma hora, que o discurso se torna repetitivo e cansa.

Bajulação!

O governo de Marquinhos Mendes (PMDB) durante algum tempo cultivou o slogan “beijo no coração”: mais brega e despolitizado, impossível. Agora aparece outro traço do governo, a explícita bajulação. Será essa uma exigência para permanecer no cargo? A explanação do presidente do Ibascaf, Luís Cláudio Gama chegou a corar os mais discretos.

Papo discreto.

MOACIR_CABRAL3  JOSE_MARTINS_2

O fundador e mentor intelectual da Folha dos Lagos, o saltitante e inoxidável jornalista Moacir Cabral é figura carimbada, no Café Per Tutti, na Galeria Square Garden, em plena Praça Porto Rocha. O jornalista pode ser encontrado sempre em papos discretos com o empresário José Martins.

Praia do Forte maltratada.

Para um governo que discursa quase todo dia louvando o turismo como alavanca econômica da cidade, tratar melhor a Praia do Forte, antiga Praia da Barra, não deveria ser apenas uma obrigação. A praia é muito maltratada e isso pode ser confirmado nos últimos vinte anos.

Quando teremos uma praça?

O último ato do segundo mandato do governo de Marquinhos Mendes (PMDB) foi à entrega da obra de reforma da Praça Porto Rocha: um lixo! Obra feita aos tapas, mal acabada e projeto horroroso. A praça, que já era feia, ficou ainda pior e foi destruída no governo de Alair Corrêa (PP).

Insatisfação!

O Movimento Negro e o Cencilagos não estão nem um pouco satisfeitos com a resposta da prefeitura de Cabo Frio, que, até agora não recriou a Supir e muito menos acenou com a possibilidade de criação de uma secretaria municipal. Acabou a campanha!

O governo não quer marola.

O governo “farinha pouca meu pirão primeiro” parece ter se preocupado em atender reivindicações individuais e não do Movimento Negro, em suas questões mais importantes. Atendidas as demandas individuais e pessoais, o governo espera que os representantes sejam capazes de acalmar e controlar os outros militantes.

Ano difícil = fidelidade.

O governo Marquinhos Mendes (PMDB) mantém as áreas de cultura, ciência e tecnologia e meio ambiente, com pessoal sem peso político/eleitoral, mas fiel ao governo. O que parece estar cada vez mais forte é o chamado “Teste de Fidelidade”, importante para o governo em um ano, que promete ser bastante difícil.

Passeio vergonhoso.

O passeio de funcionários da secretaria e representantes do turismo pelos principais pontos turísticos de Cabo Frio deve ter deixado os mimosos rapazes e moças de “cabelos em pé”. São pouquíssimos os locais preservados e capazes de receber com dignidade os visitantes. Se tiverem o mínimo de bom-senso deveriam ficar com vergonha.

 


2 responses so far

fev 17 2017

TEATRO QUINTAL

Published by under Jornalismo

TEATRO


No responses yet

fev 17 2017

CADERNO DE BÚZIOS

Published by under Jornalismo

BBB

4º Seminário Nacional de Vereadores do PDT

O 4º Seminário Nacional de Vereadores do PDT acontece até, sexta-feira, 17. A iniciativa reúne, em Brasília, mais de 500 filiados de todas as regiões do país e está sendo realizada pela Fundação Leonel Brizola/Alberto Pasqualini.

O aumento do IPTU.

O aumento do IPTU, na península, tem provocado muitas reações na população e também no meio político. A prefeitura precisa esclarecer os critérios, que foram utilizados para o reajuste, com muita transparência.

O desgaste! – 1.

Caso descesse um marciano em Búzios ficaria espantado com o grau de desgaste do governo de André Granado. Não parece que está dando partida em um novo mandato: as reclamações contra os desmandos oriundos do Palácio da Usina são constantes.

O desgaste! – 2.

O desgaste do governo de André Granado (PMDB) é sentido não apenas no meio político, mas por grande parte da população. O prefeito só circula pela cidade de carro e sua presença em uma audiência pública de verdade seria impensável.

Saneamento.

Uma cidade como Búzios precisa que a população e o meio político discutam com mais insistência e seriedade a questão do saneamento. A continuar do jeito que está Búzios como grande polo receptor de turismo tenderá a degradar e desaparecer. Os exemplos que existem ao longo da Região dos Lagos estão aí para confirmar.

O mundo da “pós-verdade”.

O prefeito André Granado (PMDB) e sua mídia parecem flutuar em um mundo, que não é o mesmo da população, tempo da chamada “pós-verdade” tão a moda Donald Trump, o mundo virtual nada tem a ver com o a realidade do dia-a-dia.

Mundo de fantasia.

A batalha da sobrevivência é cada vez mais dura para os trabalhadores, sejam eles da área pública ou privada. Por conta disso choca essa “pós-verdade” do governo André Granado (PMDB), que tenta criar na cabeça das pessoas uma falsa visão da realidade, que nada tem a ver com o que a população vive.

Henrique, tentando solidificar a aliança.

O vice-prefeito Henrique Gomes (PP), afilhado político do vice governador Francisco Dornelles (PP) é candidatíssimo a sucessão do prefeito André Granado (PP), em 2020. O vice-prefeito terá que realizar um trabalho político destinado a solidificar sua aliança com o grupo do atual prefeito, mas não é fácil.


No responses yet

fev 17 2017

ONDE ESTÁ A HUMANIDADE?

Published by under Jornalismo

50


No responses yet

fev 17 2017

URNA OU CHAMINÉ?

Published by under Jornalismo

43


No responses yet

fev 17 2017

MÉXICO 70 – Armando Nogueira.

Published by under Jornalismo

CRO_E_POE_BORDOARMAND-1

MÉXICO 70

Armando Nogueira

México 70 – E as palavras, eu que vivo delas, onde estão? Onde estão as palavras para contar a vocês e a mim mesmo que Tostão está morrendo asfixiado nos braços da multidão em transe? Parece um linchamento: Tostão deitado na grama, cem mãos a saqueá-lo. Levam-lhe a camisa levam-lhe os calções. Sei que é total a alucinação nos quatro cantos do estádio, mas só tenho olhos para a cena insólita: há muito que arrancaram as chuteiras de Tostão. Só falta, agora, alguém tomar-lhe a sunga azul, derradeira peça sobre o corpo de um semi-deus.

Mas, felizmente, a cautela e o sangue-frio vencem sempre: venceram, com o Brasil, o Mundial de 70, e venceram, também, na hora em que o desvario pretendia deixar Tostão completamente nu aos olhos de cem mil espectadores e de setecentos milhões de telespectadores do mundo inteiro.

E lá se vai Tostão, correndo pelo campo afora, coberto de glórias, coberto de lágrimas, atropelado por uma pequena multidão. Essa gente, que está ali por amor, vai acabar sufocando Tostão. Se a polícia não entra em campo para protegê-lo, coitado dele. Coitado, também, de Pelé, pendurado em mil pescoços e com um sombrero imenso, nu da cintura para cima, carregado por todos os lados ao sabor da paixão coletiva.

O campo do Azteca, nesse momento, é um manicômio: mexicanos e brasileiros, com bandeiras enormes, engalfinham-se num estranho esbanjamento de alegria.

Agora, quase não posso ver o campo lá embaixo: chove papel colorido em todo o estádio. Esse estádio que foi feito para uma festa de final: sua arquitetura põe o povo dentro do campo, criando um clima de intimidade que o futebol, aqui, no Azteca, toma emprestado à corrida de touros.

Cantemos, amigos, a fiesta brava, cantemos agora, mesmo em lágrimas, os derradeiros instantes do mais bonito Mundial que meus olhos jamais sonharam ver. Pela correção dos atletas, que jogaram trinta e duas partidas, sem uma só expulsão. Pelo respeito com que cerca de trezentos profissionais de futebol se enfrentaram, músculo a músculo, coração a coração, trocando camisas, trocando consolo, trocando destinos que hão de se encontrar, novamente, em Munique 74.

Choremos a alegria de uma campanha admirável em que o Brasil fez futebol de fantasia, fazendo amigos. Fazendo irmãos em todos os continentes.

Orgulha-me ver que o futebol, nossa vida, é o mais vibrante universo de paz que o homem é capaz de iluminar com uma bola, seu brinquedo fascinante. Trinta e duas batalhas, nenhuma baixa. Dezesseis países em luta ardente, durante vinte e um dias — ninguém morreu. Não há bandeiras de luto no mastro dos heróis do futebol.

Por isso, recebam, amanhã, os heróis do Mundial de 70 com a ternura que acolhe em casa os meninos que voltam do pátio, onde brincavam. Perdoem-me o arrebatamento que me faz sonegar-lhes a análise fria do jogo. Mas final é assim mesmo: as táticas cedem vez aos rasgos do coração. Tenho uma vida profissional cheia de finais e, em nenhuma delas, falou-se de estratégias. Final é sublimação, final é pirâmide humana atrás do gol a delirar com a cabeçada de Pelé, com o chute de Gérson e com o gesto bravo de Jairzinho, levando nas pernas a bola do terceiro gol. Final é antes do jogo, depois do jogo — nunca durante o jogo.

Que humanidade, senão a do esporte, seria capaz de construir, sobre a abstração de um gol, a cerimônia a que assisto, neste instante, querendo chorar, querendo gritar? Os campeões mundiais em volta olímpica, a beijar a tacinha, filha adotiva de todos nós, brasileiros? Ternamente, o capitão Carlos Alberto cola o corpinho dela no seu rosto fatigado: conquistou-a para sempre, conquistou-a por ti, adorável peladeiro do Aterro do Flamengo. A tacinha, agora, é tua, amiguinho, que mataste tantas aulas de junho para baixar, em espírito, no Jalisco de Guadalajara.

Sorve nela, amiguinho, a glória de Pelé, que tem a fragrância da nossa infância.

A taça de ouro é eternamente tua, amiguinho.

Até que os deuses do futebol inventem outra.

 


No responses yet

fev 17 2017

JORNAL DO TOTONHO

Published by under Jornalismo

LOGO


No responses yet

fev 16 2017

CARDÁPIO DO DIA

Published by under Jornalismo

CARDAPIO_1

EDITORIAL – “OPOSIÇÃO EXPÕE FRAGILIDADE DO GOVERNO.”

INVASÃO NA RESTINGA DE MONTE ALTO, EM ARRAIAL DO CABO.

CADERNO DE POLÍTICA.

“SALINAS”, O NOVO LIVRO DE PAULO COTIAS.

CADERNO DE BÚZIOS.

ARTIGO – “OS PECADOS DO BODE” – PAULO COTIAS.

ARTIGO – “MANGA” – SANDRO MOREYRA.


No responses yet

fev 16 2017

OPOSIÇÃO EXPÕE FRAGILIDADE DO GOVERNO.

Published by under Jornalismo

EDITORIAL-3

Até mesmo alguns adeptos do governo “farinha pouca meu pirão primeiro” reconhecem que não esperavam a repetição de métodos oriundos do antecessor e muito menos a lentidão de algumas mudanças que consideram essenciais. Essa “frustração” reflete-se na ação insegura da bancada governista, que esperava uma oposição marota como a realizada pelo grupo de Marquinhos Mendes (PMDB) contra Alair Corrêa (PP). A câmara perdeu o seu “véu de silêncio” e o “silêncio obsequioso” foi substituído pelo debate e por uma oposição estudiosa do regimento, da lei orgânica, das contas públicas, licitações etc. A nova oposição vem deixando exposta a fragilidade do governo, subdividido em diferentes grupos onde a coesão política leva cola de pouca qualidade.


No responses yet

fev 16 2017

INVASÃO NA RESTINGA DE MONTE ALTO, EM ARRAIAL DO CABO.

Published by under Jornalismo

INVASAO_MONTE_ALTO

Invasão em Monte Alto – Arraial do Cabo – 1

Pelo absurdo alguns podem até pensar que é montagem mas é a mais pura realidade e surgiu agora em 2017. O cara de pau invasor está em plena restinga de Monte Alto, em Arraial do Cabo, teoricamente área sob a proteção do Parque Estadual da Costa do Sol.

Invasão em Monte Alto – Arraial do Cabo – 2

Na crise aguda em que vive, o governo do Estado vem ameaçando acabar com seus guardas parques. É nessa hora  então que os espertos e aproveitadores começam a invadir áreas ambientais, apostando sempre na ineficácia e corrupção do Estado

 


No responses yet

Next »