out 21 2014

O QUE VAI ACONTECER?

Published by under Jornalismo

TAYLOR_3

Muita gente se pergunta como vai ficar a liderança do governo na câmara de vereadores de Cabo Frio. Afinal, Doutor Jasmin (PRB), líder do governo, candidato derrotado a Assembleia Legislativa, saiu da eleição com muitas queixas em relação à atuação do prefeito Alair Francisco (PP), no processo eleitoral. Doutor Jasmin, nas entrevistas que deu após as eleições, não disse que iria para a oposição, mas deixou claro que iria mudar o seu comportamento político. Resta saber, até onde vai esta mudança e em que isto poderia mudanças na relação entre os vereadores e o executivo municipal. O governo se calçou, reelegendo Marcello Corrêa (PP) para a presidência da Casa, mantendo o controle sobre a mesa diretora. O que vai acontecer, só o tempo dirá.

No responses yet

out 21 2014

BASTIDORES

Published by under Jornalismo

URNA

Quem não acompanha o mundo político cabofriense pode ter a impressão que tudo está congelado, esperando os resultados das eleições para governador e presidente da república. Engano. Nos bastidores existem fortes indícios de rearrumação política já de olho apontado para as eleições de 2016. Ao contrário do que os desavisados imaginavam, o prefeito Alair Francisco (PP), apesar da idade e da rejeição de boa parte da opinião pública, é candidatíssimo a reeleição: 2016, promete ser muito quente!

No responses yet

out 21 2014

CASTELINHO DO KLAUS

Published by under Jornalismo

CASTELINHO

No responses yet

out 21 2014

TODOS CONTRA POLÍTICA NA IGREJA

Published by under Jornalismo

IGREJA

No responses yet

out 21 2014

DE OLHO EM 2016

Published by under Jornalismo

SUCESSO-FRACASSO

As eleições de 2014 para a Assembleia Legislativa e Câmara Federal fizeram parte do processo de encaminhamento de 2016. O prefeito abriu muitas candidaturas em sua base política, pulverizando os votos, trabalhando para que ninguém se elegesse. Tentava inviabilizar a eleição do deputado Janio Mendes (PDT) e ao mesmo tempo impedir que surgisse, no seu grupo e agregados, alguém que se destacasse e pudesse se assanhar, viabilizando alguma candidatura, em 2016. Dentro do seu grupo teve sucesso, embora, a votação do seu pessoal tenha sido baixa demais e todos os “seus candidatos”, com exceção do sobrinho, tenham reclamado que o mau desempenho do governo atrapalhou muito.

No responses yet

out 21 2014

ArtErme – Gourmet

Published by under Jornalismo

ERMELINDA

No responses yet

out 21 2014

BARCAROLA, O SEBO

Published by under Jornalismo

 

BARCAROLA

http://www.estantevirtual.com.br/sebobarcarola

No responses yet

out 21 2014

É MUITO LINDA!

Published by under Jornalismo

REFRESCO_BORDO

0041

No responses yet

out 21 2014

ESTRADA DA INTEGRAÇÃO, UMA CONQUISTA DE JANIO

Published by under Jornalismo

ESTRADA-INTEGRACAO

O deputado Janio Mendes (PDT) continua recebendo apoios em função de sua batalha pela Estrada da Integração. Não é por acaso, o deputado cabofriense foi o maior batalhador, junto ao governo do estado, leia-se Luiz Fernando Pezão (PMDB), pela execução da obra, que interliga o distrito sede, no centro ao 2º distrito de Tamoios. A obra, além de facilitar a comunicação entre as duas áreas, também é importantíssima para o desenvolvimento econômico da região.

No responses yet

out 21 2014

NADA MAIS QUE O MANJADO “MURÃO”

Published by under Jornalismo

DIRLEI_PEREIRA_01  ALAIR_19

Em Arraial do Cabo deu até demissão de secretário, mas em Cabo Frio tudo corre bem entre o prefeito Alair Francisco (PP) e o seu secretário de governo, o inenarrável Dirlei Pereira (PRB), que continuam muito bem obrigado. O afastamento do secretário é só de mentirinha e se encaixa direitinho na posição que o prefeito escolheu para ficar neste disputado 2º turno para o governo do estado, isto é, aquele velho e manjado “murão”.

No responses yet

out 21 2014

RESTAURANTE TIO PATYNHO

Published by under Jornalismo

patynho

No responses yet

out 21 2014

WALMIR PORTO, O CABO ELEITORAL DE CRIVELLA

Published by under Jornalismo

marcelo-crivella-5

Em Cabo Frio, quem ficou com o senabispo Marcelo Crivella (PRB) foi o empresário, presidente da ACIA e candidato derrotado a Câmara Federal, Walmir Porto (PR). Pela quantidade pequena de votos que obteve em 5 de outubro e pela péssima relação com os servidores públicos municipais, Walmir Porto não é exatamente o cabo eleitoral que Crivella poderia querer para trabalhar para ele no município. Mas na situação atual, bastante complicada, o senador não pode rejeitar apoios.

 

No responses yet

out 21 2014

LÁ EM CASA TODO MUNDO É 13

Published by under Jornalismo

DILMA-1

No responses yet

out 21 2014

O MAR É LINDO

Published by under Jornalismo

REFRESCO_BORDO

002

No responses yet

out 21 2014

NOTÍCIAS

Published by under Jornalismo

NOTICIAS

01) O fim de semana, com horário de Verão, foi uma pequena mostra de como vai ser a alta temporada, em Cabo Frio: algo parecido com o caos.

02) Na propaganda das obras, que a prefeitura de Cabo Frio, pretende realizar no “Cantinho do Céu”, não consta que o dinheiro é do governo do estado.

03) O prefeito Alair Francisco “esqueceu” que a obra só é possível por conta do empenho do deputado Janio Mendes (PDT), que conseguiu junto ao governo do estado recursos de 79 milhões de reais.

04) O deputado Janio Mendes (PDT) não para de caminhar pelas ruas, agradecendo os votos que recebeu em 5 de outubro e fazendo campanha para Pezão e Dilma.

05) O secretário de governo Dirlei Pereira (PRB) pode ser encontrado com muita frequência no CDL, conversando política com o empresário José Martins. A dupla apoiou a reeleição do deputado Hugo Leal.

06) Qual será o futuro do PR em Cabo Frio? Garotinho derrotado ao governo do estado e uma grande divisão no partido entre Paulo César Guia e Walmir Porto. Situação complicada.

07) Walmir Porto continuou com Garotinho e apoia a eleição de Marcelo Crivella. Paulo César Guia, levado pelo deputado Janio Mendes, se juntou a campanha do governador Luiz Fernando Pezão.

08) O Parque da Boca da Barra continua desprotegido, tanto por parte do governo municipal, como estadual. Com a alta temporada de Verão se aproximando, a previsão é caos e destruição.

09) A Justiça Eleitoral continua fazendo crer ao eleitor, que ele é o culpado pelos “fichas sujas”, no mundo político. Como pode explicar, então a quantidade imensa de “fichas sujas”, que são candidatos, se eleitos tomam posse e cumprem seus mandatos?

10) Ontem, no fim de tarde, o “Inventando Moda”, ferveu na discussão política. Na área, Rui Machado, Sérgio Nogueira, José Américo Trindade (Babade), André Lisandro, Marco Aurélio Abreu e de passagem, o deputado Janio Mendes.

 

No responses yet

out 21 2014

CARTA DE UM LEITOR SOBRE A CONSTRUÇÃO DA “ESPLANADA DAS SECRETARIAS”

Published by under Jornalismo

Boa noite, Totonho! Tudo bem?

Queria passar adiante alguns comentários que rondam a empresa onde eu trabalho. Não sei se você sabe, mas sou engenheiro formado e trabalho na minha área, na Refinaria Nacional de Sal, a Sal Cisne. Muitos cabo-frienses acham que a Refinaria não funciona, ou que faliu como a Perynas e Alcalis. Para a alegria dos muitos funcionários, posso dizer que é a líder de mercado salineiro do Brasil.

Na Sal Cisne encontramos funcionários com mais de 30 anos de casa. Assim como profissionais de vários estados do Brasil, que estão lá por meritocracia. Desde os anos 2000, após sobreviver a uma quase falência, sua nova gestão se modernizou e hoje temos uma planta com capacidade de 21 toneladas de sal por hora. Contando com todos os setores, a Sal Cisne tem mais de 500 funcionários, ajudando a alimentar mais de 480 famílias de Cabo Frio, São Pedro, Araruama, Búzios, Iguaba e Arraial do Cabo. É a única refinaria de sal da América que produz sal para hemodiálise e para diversos segmentos da indústria farmacêutica, além de distribuir para todos os estados da Região Sudeste, Centro-Oeste, Sul e para o exterior do Brasil.

É uma pena, mas quase todos os cabo-frienses que me encontram com uniforme da Refinaria perguntam se a empresa não faliu. Isso porque, infelizmente, a Sal Cisne não investe em publicidade no nosso estado, mas é difícil encontrar um morador de São Paulo ou Curitiba que não conheça a marca.

O motivo que me levou a te escrever é para que nos ajude a expor nossa preocupação. A Prefeitura de Cabo Frio desapropriou duas salinas pertencentes à Sal Cisne. Embora a nossa produção de Sal hoje não seja limitada às salmouras produzidas pelas suas salinas, elas representam a maioria de cloreto de sódio que usamos para a sua sustentabilidade econômica. Com tantas áreas de salinas desativadas ao redor da nossa cidade, a Prefeitura de Cabo Frio desapropriou terras da única empresa de grande porte da nossa cidade.

Isso está provocando uma grande preocupação aos nossos funcionários. Todos tem medo de uma nova possível falência. E ao contrário da crise dos anos 90, agora não resta outra indústria salineira na Região dos Lagos. Na Sal Cisne encontramos os profissionais que se profissionalizaram na Perynas e Alcalis e, pelo histórico profissional, não se enquadrariam em outro setor. E o mais preocupante, não temos mais industrias em Cabo Frio. Para onde irá os nossos profissionais se isso acontecer?

Eu e mais dois amigos trainees tivemos a sorte de conseguir um emprego lá, ao contrário de quase todos estudantes, que se formam em engenharia nas nossas universidades particulares e que permanecem desempregados. Conseguimos no único lugar que poderíamos encontrar para trabalhar na nossa área de formação. E mesmo assim, a Prefeitura de Cabo Frio não está medindo esforços para falir a última empresa remanescente de um império salineiro cedido por concessão pelas mãos do, até então, imperador do Brasil D. Pedro II. Isso para construir uma tal esplanada de secretarias, obra totalmente desnecessária.

Além de uma importância econômica, a Refinaria Nacional de Sal é personagem da história e cultura de Cabo Frio que hoje volta a sofrer um grande risco.

Não falo em nome da empresa, mas em nome do meu emprego. E de todos os outros funcionários que estão indignados com a notícia. Queremos espalhar essa notícia para que todos saibam o que Cabo Frio pode perder com a desapropriação dessas salinas.

 Thom Aragutti

 

No responses yet

out 21 2014

NÔMADE ARTES GRÁFICAS

Published by under Jornalismo

BANNER_NOMADE_2

No responses yet

out 20 2014

DILMA 13

Published by under Jornalismo

DILMA-1

No responses yet

out 20 2014

DE OLHO, EM 2016

Published by under Jornalismo

JANIO  MARQUINHO_MENDES4  ALAIR_1

O processo eleitoral ainda não terminou completamente e as especulações sobre a sucessão municipal, em 2016, estão a todo vapor. O prefeito Alair Francisco (PP) deve ser candidato a reeleição e o ex-prefeito Marquinho Mendes (PMDB), apesar de não ter sido eleito deputado federal (ficou como 1º suplente) disse que também quer. Até agora, o grande vencedor da eleição, em Cabo Frio, o deputado Janio Mendes (PDT), o único eleito no município, não se pronunciou sobre o assunto: está focado nas campanhas de Pezão (PMDB) e Dilma (PT), no 2º turno.

 

One response so far

out 20 2014

O MAIS DO MESMO

Published by under Jornalismo

ABOBORA

Alguns observadores políticos experientes tem notado um movimento político, colocado em reportagens na mídia amiga, tentando restringir o quadro eleitoral de 2016 aos grupos políticos de Alair Francisco (PP) e Marquinho Mendes (PMDB), isto é, aquilo que muita gente chama de “o mais do mesmo”. Com outras palavras, a manutenção do “status quo”, na política municipal, que interessa sobremaneira a boa parte da chamada elite local, que transita, com muita desenvoltura pelos dois grupos. Muitas vezes não se sabe exatamente quem é governo e oposição.

 

No responses yet

out 20 2014

PARECE ATÉ COMBINADO

Published by under Jornalismo

TUDO-COMBINADO

O prefeito Alair Francisco (PP) parece ter escolhido o seu adversário, o ex-prefeito Marquinho Mendes (PMDB): não interessa a ele mexer com mais intensidade no cenário político da cidade. Ao permitir, em sua base, o lançamento de inúmeras candidaturas, não permitiu o aparecimento de nenhuma ameaça ao seu sonho de reeleição, em 2016. Por outro lado, o ex-prefeito Marquinho Mendes (PMDB) tem interesse em secundarizar todas as forças políticas em torno de sua candidatura: seus movimentos são todos nesse sentido. Parece até combinado.

 

 

No responses yet

out 20 2014

JANIO, O ÚNICO ELEITO EM CABO FRIO

Published by under Jornalismo

JANIO-3

Em todo este xadrez político, uma peça fugiu ao controle, o deputado Janio Mendes (PDT), que a despeito de todas as articulações contrárias e sabotagens dos quais foi alvo (teve que enfrentar oito candidatos a Assembleia Legislativa, em Cabo Frio) foi o único a se eleger, no município. Essa constatação frustrou aqueles que queriam manter o cenário político de Cabo Frio intocado, pronto para os habituais protagonistas, velhos conhecidos e adversários até a página 2.

No responses yet

out 20 2014

MARQUINHO E O SEU MANDATO

Published by under Jornalismo

MARQUINHO_MENDES2

Derrotado nas urnas, ficou como 1º suplente, na Câmara de Deputados Federais, o ex-prefeito Marquinho Mendes (PMDB), tenta dar ao seu resultado o caráter de vitória, anunciando que vai assumir imediatamente sua cadeira em Brasília. Pode ser, mas não é tão simples assim, a começar pelo fato de estar substituindo alguém, que pode voltar a qualquer momento. As suas votações são balizadas por este fato concreto e o gabinete, normalmente, não vêm inteiro. Costuma vir picotadinho. Mesmo assim, é sempre um mandato e político sem mandato fica nu.

 

No responses yet

out 20 2014

ELITE ECONÔMICA SEMPRE DE OLHO NO DINHEIRO PÚBLICO

Published by under Jornalismo

NOT_E_COM_BORDO

BURGUESIA-3

01) A elite econômica cabofriense, se é que podemos chamá-la assim, deve grande parte de seu poder de fogo as relações diretas e indiretas, que mantém com o poder público municipal. Esta realidade ficou ainda mais real após a inseminação dos royalties, na economia local a partir de 1997, quando a cidade passou a receber como produtora de petróleo. Essa generosa fonte de receita tornou a prefeitura poderosa e o empresariado local ansioso para participar da novidade. Ser amigo do “Rei” passou a ser prioridade. Portanto, qualquer sacolejo incomoda aqueles que de alguma maneira participam ou até mesmo tem vontade de se incluir no processo.

02) O problema para essa elite é que o cenário político não está congelado, muito menos estático e novas concepções e cenários vão se desenvolvendo com o tempo, na medida em que a sociedade vai se modificando. Até mesmo, novas concepções de elite vão aparecendo e procurando abrir caminho, com o intuito de se estabelecer. O processo é inevitável e todos aqueles que o ignorarem, através de uma visão de mundo excessivamente conservadora, tenderão a serem engolidos e desaparecerem na poeira do tempo.

No responses yet

out 20 2014

FALTA CONHECIMENTO

Published by under Jornalismo

BURGUESIA-2

O mais interessante é que esta elite é apenas econômica. Em todas as suas intervenções na mídia, sempre que lhe é pedida alguma análise sobre política econômica, gestão de turismo ou mesmo qualquer opinião sobre a política brasileira, o teor das respostas é decepcionante. Revela desconhecimento profundo não só das realidades brasileira e municipal, mas do mundo como um todo. A única preocupação é ganhar dinheiro na primeira esquina, sem levar em conta fatores éticos e até mesmo uma análise superficial da sociedade em que vivem. É lamentável, mas é a cara de Cabo Frio.

 

No responses yet

out 20 2014

ELITE PRIMÁRIA E DESPREPARADA

Published by under Jornalismo

BURGUESIA-1

Satisfeitos os seus interesses econômicos mais imediatos essa elite não tem o menor interesse nos efeitos e mazelas que pode provocar. O discurso é primário, rasteiro sob o ponto de vista intelectual e repete frases feitas, talvez aprendidas em livros de auto ajuda e palestras de oportunidades de negócios. De uma maneira geral desconhece e não tem o menor interesse na história da cidade, de sua cultura e da importância da preservação do seu patrimônio cultural e ambiental. É uma elite que festeja apenas o dinheiro, sem qualquer compromisso com a cidadania.

No responses yet

out 20 2014

DESESPERO DOS MORADORES

Published by under Jornalismo

DESESPERO

Os moradores e comerciantes da Avenida Joaquim Nogueira, em São Cristovão, não sabem mais o que fazer ou a quem apelar. As obras, cantadas em prosa e verso, pela comunicação social da prefeitura não terminam nunca. Calçadas quebradas, poeira, lama e estreitamento das pistas tornam a avenida uma tortura para pedestres e motoristas, que enfrentam engarrafamentos constantes. Os cabofrienses temem que a obra avance pelo ano de 2015, sem data para terminar. Ninguém aguenta mais.

 

No responses yet

out 20 2014

SAÚDE, EM CABO FRIO, CONTINUA CAÓTICA

Published by under Jornalismo

SAUDEPUBLICA

Enquanto o “governo sereníssimo” gasta tempo e dinheiro para produzir a sua Disneylândia particular, a saúde pública municipal continua caótica. O governo depois do fracasso da campanha “Saúde Maravilha”, dá desculpas aqui, outras acolá e tenta, através da “mídia amiga” mostrar que alguma coisa está melhorando. Não é verdade. Diariamente, a população, especialmente a mais pobre, sofre na carne o descaso de um governo, que prefere investir fortunas em obras de maquiagem e praticamente nada para melhorar a qualidade de vida da população.

No responses yet

out 20 2014

PODERIA TER APROVEITADO PARA EXPLICAR SOBRE A SAÚDE

Published by under Jornalismo

AUDIENCIA-PUBLICA-GUARANY-2

Uma pena, mas o Doutor Prefeito não aproveitou o simulacro de “Audiência Pública”, no bairro Guarany, para explicar aos moradores, porque o posto de saúde não funciona. Certamente, o prefeito não considerou esse aspecto, porque ao que parece, só obra o interessa. Assim tem sido na orla da Praia do Forte, o m2 mais caro de Cabo Frio e na Avenida Joaquim Nogueira, em São Cristovão. Além de tudo, são obras que nunca terminam. Os moradores do Guarany podem se preparar para anos intermináveis de poeira e lama.

One response so far

out 20 2014

ENQUANTO JANIO TRABALHA, O “SERENÍSSIMO” BRINCA DE HOLLYWOOD

Published by under Jornalismo

JANIO-1

Enquanto o deputado Janio Mendes (PDT) trabalha  para trazer investimentos de 80 milhões de reais, voltados a periferia de Cabo Frio: asfaltamento, drenagem de inúmeras ruas, urbanização, o prefeito anuncia a construção de mais uma obra, faraônica e completamente desnecessária: a réplica da Praça Porto Rocha, no Guarany. Serão milhões e milhões de reais gastos. A quem interessa essa obra? Ao povo? Aos funcionários municipais? Quem são os interessados? Não custava nada o prefeito explicar para o povo, que através de seus impostos é quem banca tudo.

 

No responses yet

out 20 2014

O PREFEITO DA FANTASIA

Published by under Jornalismo

JANIO-REALIDADE1

A propaganda oficial do “governo sereníssimo”, não é para prestar contas? Mostrar o que foi feito com o dinheiro público? Fazer propaganda de coisas que ainda vai realizar é brincadeira. Fazer campanha publicitária sobre promessas, é brincar com o dinheiro público. Essa propaganda da “esplanada das secretarias” depois do fracasso da chamada “Audiência Pública” é símbolo de escárnio com a população. Mesmo assim, a propaganda do “governo sereníssimo” não tem funcionado. Basta lembrar aquele esquema publicitário da “Saúde Maravilha”, que caiu no ridículo.

 

No responses yet

out 20 2014

BONITONA

Published by under Jornalismo

REFRESCO_BORDO

0011

No responses yet

out 20 2014

SITUAÇÃO COMPLICADA

Published by under Jornalismo

WALMIR_PORTO_1

Após a fragorosa derrota nas eleições de 5 de outubro quando pretendeu sentar em uma macia poltrona da câmara de deputados federais, o empresário Walmir Porto (PR) está em outra empreitada. Apoia ao lado do secretário de governo Dirlei Pereira (PRB), a candidatura do “senabispo” Marcelo Crivela (PRB) ao governo do estado. Terminado definitivamente o processo eleitoral, o empresário vai ter que enfrentar o crescente descontentamento dos empresários cabofrienses com a sua gestão a frente da ACIA.

 

 

 

 

No responses yet

out 20 2014

É SÓ AGUARDAR!

Published by under Jornalismo

CAMARA-1

Decorridos quase dois anos do “governo sereníssimo”, o prefeito continua considerando a “câmara do silêncio” como sua. Alguns observadores da política cabofriense não acreditam em mudanças substanciais no comportamento dos vereadores, que transformaram o legislativo em poder secundário e homologador dos desejos e das decisões políticas do prefeito. Resta saber se a constante rejeição do governo municipal pela opinião pública e a aproximação do pleito de 2016 vai mudar alguma coisa. Afinal, o sentido de sobrevivência é fundamental na política. É só aguardar!

No responses yet

out 20 2014

A CÂMARA TENDE A QUEBRAR SEU SILÊNCIO?

Published by under Jornalismo

CAMARA-2

O que pode acontecer para que a câmara de vereadores de Cabo Frio quebre o seu silêncio? Desligue, ao menos parcialmente, o farol voltado para o assistencialismo e o empreguismo? A mudança de rota seria fundamental para que os vereadores recuperassem seu prestígio junto a opinião pública. Muitos cabofrienses anseiam por ver a câmara debatendo os grandes problemas que preocupam a sociedade, não com discursos temerosos, demagógicos e populistas, mas com interesse real em responder aos reclamos de uma sociedade, que não se sente minimamente representada. Tem chance de acontecer?

No responses yet

out 20 2014

O ESPERTO

Published by under Jornalismo

PROMESSAS

Dando uma de esperto, o prefeito Alair Francisco (PP) prometeu a Dornelles, a quem deve muito, o apoio a chapa Pezão/Dornelles no 2º turno: foi a reunião, tirou foto, mas na prática nada faz. Está sentando no trono, medindo a evolução da campanha. Ao mesmo tempo liberou seu secretário de governo Dirlei Pereira (PP) para a campanha de Crivella e lhe deu instrumentos políticos para atuar com desenvoltura, basta ver a festa na Branca Confeitaria, na semana que passou. O prefeito joga nas duas, ou seja, um autêntico “murão”, típico da tucanada.

 

No responses yet

out 20 2014

BOULEVARD EM ESTADO PRECÁRIO

Published by under Jornalismo

BOULEVARD-9

Apesar da “mídia amiga” dar conta que a prefeitura de Cabo Frio está dando uma ajeitada no madeirame do Boulevard Canal, a notícia não procede. Basta passear junto ao Canal do Itajuru para ver a quantidade de madeiras podres, soltas e até mesmo buracos, ameaçando os pedestres, que por ali transitam. No Canal, as águas poluídas e fétidas, junto aos restaurantes a calçada esburacada e também com mau cheiro. Sobra o que para moradores e turistas? A incompetência e o despreparo do governo municipal, que não consegue preservar nem um dos pontos mais frequentados da cidade.

 

No responses yet

out 20 2014

MUITO BONITA!

Published by under Jornalismo

REFRESCO_BORDO

0020

No responses yet

out 20 2014

VOTO NULO AUXILIA CANDIDATURA TUCANA – Breno Altman

Published by under Jornalismo

ARTIGOS_BORDO

ImagemBlog

VOTO NULO AUXILIA CANDIDATURA TUCANA  

Breno Altman

Alguns grupos, partidos e movimentos sociais, que se reivindicam à esquerda ou críticos do PT, estão chamando seus seguidores a anular o voto. Não é impossível que algumas dezenas ou centenas de milhares aceitem trilhar por esse caminho.

Não estou me referindo a todos os votos nulos. Muitos eleitores, por repulsa ao processo eleitoral, viram suas costas para todas as candidaturas e não querem conversa. O caso é com quem, a partir de um raciocínio progressista, está dizendo que tanto faz se ganhem os vermelhos ou os azuis.

Parte desse contingente votou, na primeira volta, para candidatos de PSOL, PSTU, PCB e PCO. Outra fração sufragou a ex-senadora Marina Silva. Também há os que anularam já no primeiro turno.

O que estes eleitores e os petistas têm em comum é o rechaço às forças de direita, encarnadas pela candidatura de Aécio Neves. Não há hipótese na qual aceitariam votar no PSDB.

A ruptura fundamental é que, para os nulo-sufragistas de esquerda, o PT também não presta. Representaria o mesmo programa e as mesmas alianças de classe que seus adversários, apenas diferindo cosmeticamente de uma política amigável às grandes corporações capitalistas.

A conta é simples. Se são eliminados estes votos, que poderiam ser atraídos pela alternativa mais à esquerda presente no segundo turno, o beneficiário direto é Aécio Neves. Ainda mais em uma corrida que provavelmente será decidida no olho eletrônico.

Muitos dos que têm essa opção, pressionados por quem lhes cobra responsabilidade política neste cenário delicado, gastam tempo e espaço para atacar o petismo de forma implacável, quase poupando o bloco conservador. Fácil de entender: precisam demonizar o partido de Lula e Dilma para sua posição parecer mais razoável até para si próprios.

O rancor, afinal, é dos melhores escudos contra a razão. Claro que existem motivos, reais ou imaginários, para descontentamentos com o PT. A questão, porém, é saber o que está em jogo. O voto nulo ajuda a ultrapassar o petismo pela esquerda ou favorece a vitória da direita?

O segundo turno, afinal, tem natureza positiva apenas para aqueles cujo candidato continua na cédula eletrônica. Os demais tendem a votar negativamente, para rejeitar o projeto que lhes pareça mais maléfico.

Ainda que se possa, em certas circunstâncias políticas e históricas, refutar as duas alternativas que seguem na peleja, seria necessário responder a algumas perguntas para não fazer o jogo dos piores inimigos.

A vitória tucana, com a queda do governo petista, cria ambiente mais favorável para a organização e a mobilização das forças do campo popular? Os sindicatos e movimentos sociais terão melhores condições de luta?

Não há diferença, para os trabalhadores da cidade e do campo, entre uma política gradualista, defensora de emprego, renda e direitos, e o novo choque neoliberal proposto pelo candidato do PSDB?

Será a mesma coisa um projeto que busca, mesmo timidamente, abrir caminho para a participação popular no interior do Estado oligárquico, e outro marcado pelo retrocesso patrimonialista e antidemocrático?

Para as experiências progressistas na América Latina e outras regiões do planeta, dá na mesma um governo empenhado na construção de espaços contra-hegemônicos ou uma administração realinhada a Casa Branca?

A abordagem de direitos humanos e civis, sob gestão petista ou tucana, é da mesma natureza?

Quem fizer estes e outros questionamentos, poderá refletir com seriedade se a guerra de classe movida contra o PT é truque de cena ou expressa a tensão entre projetos razoavelmente conflitantes.

Não se imagina que o voto em Dilma, vindo de setores críticos ao petismo, seja aval duradouro ao governo incumbente e eventualmente reeleito. Trata-se de saber, no entanto, se esses eleitores estão ou não dispostos a barrar o avanço da hipótese mais reacionária.

Apesar do exemplo de desprendimento das principais lideranças do PSOL, além de outras referências sociais, culturais e políticas, que declararam seu apoio à fórmula presidencial petista, há quem continue a fincar pé no diagnóstico de que são todos farinha do mesmo saco.

Mesmo sob o risco, ao votar nulo no dia 26, de estar objetivamente prestando auxílio ao candidato da direita.

No responses yet

out 20 2014

6 FAMÍLIAS CONTROLAM 70% DA IMPRENSA NO BRASIL

Published by under Jornalismo

IMPRENSA

No responses yet

out 20 2014

SER GAGÁ – Millôr Fernandes

Published by under Jornalismo

CRO_E_POE_BORDO

millor

Millôr Fernandes

SER GAGÁ

Ser Gagá não é viver apenas nos idos do passado: é muito mais! É saber que todos os amigos já morreram e os que teimam em viver, são entrevados. É sorrir, interminavelmente, não por necessidade interior, mas porque a boca não fecha ou a dentadura é maior do que a arcada.

Ser Gagá é ficar pensando o dia inteiro em como seria bom ter trinta anos ou, vá lá, quarenta, ou mesmo, ó Deus, sessenta! É ficar olhando os brotinhos que passeiam, com o olhar esclerosado, numa inútil esperança. É ficar aposentado o dia inteiro, olhando no vazio, pensando em morrer logo, e sair subitamente, andando a meia hora que o separa dos cem metros da esquina, porque é preciso resistir. É dobrar o jornal encabulado, quando chega alguém jovem da família, mas ficar olhando, de soslaio, para os íntimos da coluna funerária. Ser Gagá é saber todos os mortos inscritos no Time, em Milestones. Não é saber o Who is who, mas os WHEN. É só pensar em comer, como na infância. E em certo dia passar fome as vinte e quatro horas, só de melancolia. É, na hora mais ativa do mais veloz Bang-Bang, descobrir, lá no terceiro plano, uni ator antigo, do cinema mudo, e sentir no peito a punhalada. É surpreender, subitamente, um olhar irônico que trocam dois brotinhos, que, no entanto, o ouvem seriamente. É querer aderir à bossa nova, falar “Sossega Leão” e morrer de vergonha ao perceber o fora. É não querer, não querer, mas cada dia ficar mais necessitado de amparo do que outrora. É ter estado em Paris, em 19. É descobrir, de repente, um buraco na roupa e dar graças a Deus, por ser na roupa.

Ser Gagá é sentir plenamente que tudo que se leu, que se aprendeu, que se viu e se viveu não vale nada diante do que estua. Ser Gagá é estar sempre na iminência de ouvir em plena rua: “Olha o tarado!” É ficar contente em ver Chaplin e Picasso como os “mais charmosos” de sessenta! É chamar de menina à quarentona. É ter uma esperança senil nos cientistas. É reparar, nos mais jovens, o imperceptível sinal de decadência. É ficar olhando o detalhe, nos amigos; a lentigem nas mãos, o cabelo que afina, a pele que vai desidratando. Ser Gagá é o orgulho vão de ainda ter cabelo e poucos brancos! A vaidade tola de não ter barriga; a felicidade de ter dentes próprios. E fazer grandes planos qüinqüenais que espantam os jovens que acham cinco anos a própria eternidade, mas que o Gagá sabe que voam como voaram tantos, tantos, tantos.

É se apegar, desesperadamente, pelo tremendo impulso da existência, aos filhos, aos netos e aos bisnetos, embora saiba que eles não o querem, que a convivência com eles é apenas parte e total do egoísmo vital que o enterra. É sentir que agora, outra vez, está bem de saúde. É sentir a saúde ocasional. É carregar o corpo o tempo todo. É sentir o caixão no próprio corpo. É saber que já não há quem tenha prazer em lhe acarinhar a pele. É já não ter prazer em passar a mão na própria pele. É esquecer de coisas importantes e lembrar, sem saber por que, um gosto, um calor, uma palavra há tempos esquecidos.

Ser Gagá é procurar com afã a importância do cargo para de novo ser solicitado, embora pelo cargo. É sentir que nada do que faça, espantoso que seja, terá a importância do feito de outro homem, nos inícios da vida. Ser Gagá é quando dormir tarde se torna uma loucura, resgatada em feroz resfriado que dura uma semana. É ter sabido francês, e esquecido. É já não jogar xadrez como outrora! É olhar o retrato amarelado e lembrar que fotógrafo usava magnésio. É dizer, como um feito, que ainda lê sem óculos. É ouvir que alguém diz, quando passa na rua: “inda está firme!” É ficar galante e baboseiro na terceira taça de champanha. É casar com uma mulher mais jovem e querer dar logo ao mundo a inegável prova de um filhinho.

Ser Gagá é, num esforço mortal, aceitar tudo que inventam, todas as idéias, as modas, a música, o ritmo de vida, mas não deixar de dizer numa ironia profunda e amargurada. “Eu não entendo”. É sentir de repente o isolamento. É ficar egoísta, e amedrontado. É não ter vez e nem misericórdia.

Ser Gagá é fogo. Ou melhor, é muito frio.

(*) Projeto Releituras.

No responses yet

out 19 2014

FINALMENTE, A REFORMA DA BIBLIOTECA WALTER NOGUEIRA

Published by under Jornalismo

biblioteca 7

O prédio histórico que abriga a Biblioteca Municipal Walter Nogueira, abandonada há praticamente 18 anos, finalmente será reformado. O prédio já foi desocupado e a biblioteca está funcionando provisoriamente em quatro lojas do Edifício Grand Maison, na Avenida Júlia Kubitschek, mas, por falta de espaço, apenas parte dos livros estará a disposição do público. É uma boa notícia, porque o estado do prédio da biblioteca é lamentável, precaríssimo mesmo. A sociedade espera que seja uma reforma de primeira e que outras bibliotecas públicas possam ser instaladas em vários bairros de Cabo Frio.

 

No responses yet

out 18 2014

ESPLANADA DAS SECRETARIAS – A DISNEYLÂNDIA DO “SERENÍSSIMO”

Published by under Jornalismo

ALAIR-BICUDO

Sempre que se vê apertado pela rejeição da opinião pública o “governo sereníssimo” desencadeia uma grande campanha publicitária. Está sendo assim com o projeto da “Esplanada das Secretarias”, no bairro do Guarany. O projeto megalômano tem sido alvo de críticas severas, que inclusive o ridicularizam, mas mesmo assim o governo municipal o impõe a população. São milhões e milhões de reais jogados fora, enquanto o município enfrenta crise nas áreas da saúde, educação, segurança e ausência de saneamento básico em muitos bairros da cidade.

No responses yet

out 18 2014

DILMA 13

Published by under Jornalismo

dilma-rousseff-11021

No responses yet

out 18 2014

FAZENDO EXERCÍCIOS

Published by under Jornalismo

REFRESCO_BORDO

000

O Jornal do Totonho não poderia esquecer o galã da Passagem, PAULO CORDEIRO.

No responses yet

Next »